Uma das ideias mais erroneamente difundidas no mundo do crowdfunding é a de que seu projeto tem um grupo de pessoas interessadas. De que existe uma multidão apenas à espera de que seu projeto esteja no ar para (imediatamente) fazer um apoio. Assim, bastaria pensar em um bom projeto, fazer um bom vídeo, pensar em bons argumentos, recompensas, e colocar todos esses elementos no ar para pedir apoio financeiro.

Mas, isso basta?

Marije Lutgendorff , colaboradora do CrowdfundingHub na Holanda e coautora do livro “Crowdfunding, beyond the Hype”, pondera: “Não há nenhuma multidão à espera de investir no seu projeto”. Você pode pensar que esta multidão consistiria em uma comunidade de interessados em um possível projeto seu ou um grupo de pessoas que compartilha de uma visão de mundo, um objetivo de vida, determinadas necessidades ou intenções que você também compartilha.

Acreditamos que essa comunidade de apoiadores não se faz do dia para a noite, tampouco se faz sem estímulos. Você pode até ter uma grande quantidade de conhecidos, porém, a diferença entre um grupo de amigos e um grupo de apoiadores é o grau de engajamento na proposta que você está querendo lançar ao mundo. Você pode ter uma grande ideia de projeto para um financiamento coletivo, mas não necessariamente este projeto representa uma comunidade específica, ou antes disso: pode não haver uma comunidade!

É por isso que o trabalho de formação de rede, de diálogo prévio com os possíveis interlocutores do projeto deve ser feito também antes de lançar sua campanha de financiamento coletivo. Para alguns casos, esta construção comunitária anterior se dá ao longo de vários anos, como no caso de uma banda que agrega diversos fãs; em outros casos, não demora tanto tempo, pois o produto que você apresenta supre alguma necessidade concreta que outros também buscam suprir.

Assim, acreditamos que é necessário fazer-se algumas perguntas antes de lançar um projeto de crowdfunding (seja ele recorrente ou não):

 

  • Quem são meus apoiadores mais próximos?
  • Quem são os possíveis apoiadores menos próximos de mim?
  • Quem são as pessoas ou grupos interessados no projeto que eu irei lançar?
  • Como tornar meu projeto conhecido antes mesmo de estar em um site de crowdfunding?
  • Existe forma de apresentar este projeto a eles antes de ir ao ar em um site de crowdfunding?
  • Que tipo de ações offline eu pretendo fazer para buscar formar uma comunidade de interessados?

 

Como fala Marije Lutgendorff: “Outra coisa que não deve ser esquecida é que muito do crowdfunding acontece offline”

🙂

*Texto enviado pela colaboradora Carolina Dalla Chiesa

Links úteis para esta matéria:
http://www.crowdfundinghub.eu/
http://observador.pt/2016/04/11/crowdfunding-nao-ha-nenhuma-multidao-espera-investir-no-projeto/

 

Tags:
0 shares
Post Anterior

Primeiros apoios: templates de emails podem ajudar você.

Próximo Post

Primeiros passos para o sucesso de sua campanha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *