O vídeo de apresentação da sua campanha de Financiamento Coletivo é uma potente oportunidade de prender a atenção do público e de sensibilizar mais pessoas pra que apoiem sua iniciativa.

Ele tem basicamente 3 grandes objetivos:

1- Apresentar você / a iniciativa

2 – Explicar o que se quer fazer, o que já é feito ou o que pode vir a ser feito com o Financiamento Coletivo

3 – Fazer um chamado para a ação do apoio (o momento onde a real sensibilização acontece)

Reunimos aqui algumas dicas essenciais pra você ter em mente durante todo processo de criação do seu vídeo de campanha. Elas estão divididas em etapas que, em geral, ocorrem nessa sequência cronológica: planejamento, gravação e edição.

Vamos lá?!

Planejamento/Roteiro

Coloque-se no lugar de alguém que não sabe nada do seu projeto e precisa de um mínimo de informações para começar a ser tocado por ele. Não precisa entrar em muitos detalhes, senão você pode tornar-se entediante pra quem já conhece seu trabalho e está em busca de um motivo especial para começar a apoiar.

Além da apresentação objetiva do que você quer financiar, busque adicionar um elemento conceitual na sua campanha – pode ser uma marca registrada que você já tenha (um bordão, um trejeito, um slogan), uma palavra ou frase bem curta que simbolize sua causa, um convite, uma provocação, algo que deixe clara uma representatividade… algo que cause identificação imediata com o público que você quer sensibilizar.

Inclua no vídeo uma breve explicação sobre qual é a modalidade de Financiamento Coletivo que você escolheu e como ela funciona. Para facilitar mais ainda a compreensão, utilize elementos como capturas e gravações de tela da plataforma, mostrando um resumo visual de como é feito o apoio.

Gravação

Quando você for gravar a(s) pessoa(s) que for(em) falar durante seu vídeo, crie uma lista de tópicos a serem comentados por todo mundo que for falar. Em vez de fazer perguntas, “desmanche” seu projeto em elementos e peça para que cada uma das pessoas fale sobre eles. Assim você evita receber respostas “sim” ou “não” – lembre-se que você precisa da voz dessas pessoas pra expressar a mensagem que seu vídeo de campanha tem a mostrar pro mundo!

É de grande importância deixar alguns segundos de silêncio entre a gravação de um tópico e outro e de também combinar com a pessoa a ser gravada que ela não poderá falar ao mesmo tempo que quem estiver operando a câmera ou de quem estiver fazendo as perguntas – isso tudo facilita bastante a edição posterior do material 😉

Evite mencionar detalhes muito específicos sobre suas metas e recompensas no vídeo da campanha. É comum que campanhas (especialmente as de modalidade contínua) sejam atualizadas com o passar do tempo, e você não vai querer ficar com um vídeo desatualizado, não é mesmo?

Opte por usar essas informações que podem vir a mudar, no máximo, em legendas ou artes sobrepostas ao áudio. Para ganhar agilidade caso você resolva atualizar informações na sua campanha, mantenha esses dados apenas nos textos de descrição.

Edição

Na hora de selecionar o material para montar seu vídeo de campanha, lembre-se que você não precisa usar todos trechos que gravou já na primeira versão. Você pode ir montando várias combinações de vídeos para formar novos convites de apoio e divulgação da sua campanha, e então ir divulgando-os com o passar do tempo.

Assim como na maioria dos textos escritos, no vídeo os primeiros segundos também são decisivos para capturar (ou não) a atenção do seu público. Portanto, não se demore muito na introdução e já lance mão de algum elemento atrativo para o público de que você quer conquistar o apoio.

Atenção para a duração: uma boa média para um vídeo de campanha de Financiamento Coletivo é 3 minutos. Tente evitar redundâncias nas falas e/ou imagens selecionadas. Seu vídeo precisa ser claro e objetivo.

Sabe aquele material que você captou e está ótimo, mas acabou não entrando no vídeo? Você pode usá-lo, por exemplo, para criar versões menores, de 1 minuto e/ou 30 segundos, para uso nas redes sociais, com o objetivo de reforçar o chamado de apoio para sua campanha.

Sempre que possível, escolha uma trilha sonora instrumental, pra não correr o risco de dificultar a compreensão de quem estiver assistindo ao vídeo. Também tenha atenção ao utilizar músicas licenciadas em copyright. Uma boa alternativa para evitar problemas com direitos autorais é escolher trilhas com licenças livres, como a Creative Commons.

Quase lá!

Quando você tiver finalizado a primeira versão do seu vídeo de campanha, mostre-a para alguém próximo de você, em quem você confie na opinião, porém que ainda não tenha visto o material gravado. Peça a opinião dessa pessoa, pergunte o que ela entendeu, busque saber que mensagem você conseguiu transmitir e qual a sensação que você causou. O fato de essa pessoa ter um olhar “fresco” sobre o vídeo já editado pode auxiliar a identificar detalhes que você, durante a edição, talvez tenha deixado passar despercebidos.

Claro que cada temática de campanha tem elementos que devem ser mais explorados e que podem impactar melhor o potencial público apoiador. Busque referências em outras campanhas que podem ser parecidas com a sua.

Então, pronto(a) pra começar?!

Imagem destacada: CoWomen

Tags:
0 shares
Post Anterior

Apoio ao Futebol Feminino em 2019 – em que passe estamos?

Próximo Post

FestiPoa Literária 2019: a experiência

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *