Como usar o financiamento coletivo ou crowdfunding para produzir filmes

YouTubers 21 de Mar de 2022

O financiamento coletivo para filmes é uma alternativa de muitos produtores audiovisuais mais independentes. Podendo ser complementado ou não com editais públicos, o crowdfuding pode te ajudar a desenvolver seu roteiro ou até mesmo realizar a distribuição por festivais importantes.

Saiba como é ossível utilizar o financiamento coletivo para os seus projetos audiovisuais e como colocar a campanha no ar!

O financiamento coletivo como alternativa ao incentivo público

É comum encontrarmos no Brasil pessoas que apoiam a ideia do “faça seu próprio filme” como forma de coibir que incentivos públicos para a atividade existam através da Ancine. Apesar de ser comum que governos incentivem a indústria cultural, esse pensamento vem ganhando força também fora do nosso país.

Nos últimos anos, o interesse de Hollywood em produzir somente grandes franquias, deixou muitos diretores e produtores de cinema mais independentes sem muito auxílio. Alguns nomes, como Gus Van Sant, reconhecidos pela cinefilia, também precisaram recorrer a outras campanhas para captar recursos em seus novos projetos, mesmo emprestando a imagem para atuação.

Dessa forma, o financiamento coletivo deixou de ser algo “exclusivo” para estudantes tentando realizar o primeiro filme e se tornou uma alternativa válida e quase permanente para todo um audiovisual, especialmente os coletivos de filmes durante a recuperação das finanças pela Covid-19.

No entanto, vale ressaltar que o financiamento coletivo, embora seja uma alternativa válida, pouco difere dos incentivos públicos que já estamos acostumados a entender. Ainda que seja um vínculo com “dinheiro privado”, o produtor (a) do projeto ainda precisa prestar contas do dinheiro utilizado para a realização cinematográfica.

Projetos audiovisuais de sucesso que foram realizados com financiamento coletivo

imagem promocional do curta-metragem "Inocente", vencedor do Oscar e realizado por meio do financiamento coletivo para filmes.

Entre filmes e séries de televisão conhecidos, tivemos até mesmo vencedor do Oscar realizado por meio do financiamento coletivo. Alguns projetos citados também receberam apoio direto dos fãs, o que também explica o poder de mobilização dessas comunidades.

  1. Veronica Mars

O seriado Veronica Mars arrastou uma legião de fãs no início dos anos 2000. Embora petições para o retorno da série para uma última temporada não terem surtido efeitos, foi através de um financiamento coletivo que o criador da série, Rob Thomas, conseguiu concluir a história dos seus personagens.

Sem receber o apoio da Warner, o financiamento coletivo tinha uma meta de arrecadar em torno de USS$ 2 milhões em 30 dias de campanha. Para a surpresa do estúdio e dos próprios criadores, o valor foi alcançado em apenas 10 horas. Ao final do prazo estabelecido, o filme já tinha mais de US$ 3 milhões de caixa e ganhou o apoio do estúdio para campanhas de marketing.

2. Inocente

Há quase 10 anos atrás, a cerimônia do Oscar apresentava o documentário de curta-metragem “Inocente” como grande vencedor da categoria. O filme, que conta a história de uma adolescente imigrante sem documentos nos EUA, captou US$ 50 mil para a sua pós-produção e divulgação no circuito de festivais e salas através do financiamento coletivo.

O projeto se tornou o primeiro vencedor do Oscar realizado por meio do crowdfunding, deixando inspiração para muitos outros artistas.

3. Quando ousamos existir!

O documentário brasileiro LGBTQIA+ “Quando ousamos existir!” é uma iniciativa das federais de Pelotas (UFPel) e do Espírito Santo (UFES) junto ao Grupo Arco-Íris. O filme tem como objetivo mostrar a luta da comunidade LGBTQIA+ no Brasil nas últimas décadas, mostrando até mesmo a resistência durante a ditadura militar.

Para complementar o orçamento, os produtores do projeto colocaram o filme em uma campanha de financiamento coletivo para captar recursos para o marketing e distribuição da obra nos circuitos durante 2022.

4. Mãos à Terra

Uma das grandes preocupações brasileiras é quanto à alimentação realmente saudável na mesa da população. E é sobre essa preocupação que o documentário “Mãos à Terra” gostaria de tratar, além de humanizar o movimento da agricultura ecológica composta por famílias.

A captação de recursos ficou a cargo de uma campanha de crowdfunding realizada pela plataforma APOIA.se, tendo sua meta praticamente atingida e ajudando na produção do filme que já entrevistou mais de 6 famílias agricultoras desde o fim da captação.

O que pode ser captado dentro de um financiamento coletivo para filmes?

mãos femininas seguram uma claquete em um set de filmagens

Agora que você já sabe um pouco mais sobre os objetivos e possibilidades de um financiamento coletivo para filmes, deve estar se perguntando quais itens financiáveis você pode captar por meio da tradicional vaquinha.

Como explicado no início do artigo, o financiamento coletivo para filmes em nada difere de uma captação de recursos por meio da Lei do Audiovisual ou Rouanet, por exemplo. Nessas duas outras formas, você ainda precisa divulgar o projeto para conseguir patrocinadores, que no caso do crowdfunding se tornam apoiadores.

Dessa maneira, os itens financiáveis permanecem os mesmos. Tudo depende dos objetivos que o seu projeto deseja alcançar com a campanha. Você pode lançar um financiamento coletivo total, prevendo a captação completa do orçamento, como também pode focar somente em algumas etapas.

Alguns filmes demandam um tempo de pré-produção bastante extenso, pois podem envolver pesquisas e desenvolvimentos mais trabalhosos, sendo então vantajoso focar os gastos em um possível crowdfunding.

O mesmo vale para a produção e a pós-produção do filme. As etapas terão gastos com alimentação, locações, aluguel de equipamentos, cachês, etc, sendo períodos em que o projeto mais precisa de um apoio financeiro para que o plano de filmagem seja realizado dentro do prazo e não acarrete em gastos maiores.

Sendo assim, os únicos itens que não devem ser financiados por meio do crowdfunding são objetos para uso pessoal, ainda que sejam equipamentos profissionais. Apesar de não existir a cobrança da prestação de contas para um órgão público, você ainda precisa dar satisfação do investimento aos seus apoiadores, portanto, é preciso focar somente nas necessidades do filme.

Como escolher o tipo de financiamento coletivo ideal para o seu filme

O financiamento coletivo para filmes geralmente é realizado de maneira “pontual meta livre” ou “tudo ou nada”. Para entender melhor como escolher o que mais se encaixa com o seu projeto, separamos suas diferenças abaixo. Confira!

Financiamento Coletivo Pontual Meta Livre

Como o próprio nome já entrega, o financiamento coletivo pontual é uma modalidade do crowdfunding que tem uma data específica para encerrar. Por se tratar de uma captação de recursos para um filme, normalmente o prazo estipulado é de 30 ou 60 dias.

Ao elaborar o projeto na plataforma, os produtores precisam ser bastante claros para explicar sobre o que é o projeto, seus impactos na sociedade e um orçamento detalhado já prevendo como será utilizado o dinheiro para cada meta alcançada.

Para que seja algo mais dinâmico, é possível adicionar vídeos com um possível trailer do curta-metragem ou ainda imagens da própria equipe falando sobre a importância de colaborar com a realização.

Financiamento Coletivo Tudo ou Nada

O tudo ou nada é uma modalidade bastante arriscada de financiamento coletivo. Em muitas plataformas de crowdfunding, alguns projetos acabam não recebendo o valor captado por não conseguir atingir a meta proposta inicialmente.

Essa é uma modalidade mais apropriada para projetos que de fato não têm como ser produzidos de nenhuma forma caso a meta não seja batida, como um livro que precisa de um valor mínimo para a impressão, ou um filme que não tem outras formas de financiamento.

Essa modalidade não existe na APOIA.se, ou seja, mesmo que o seu projeto não atinja a meta proposta pelo financiamento coletivo pontual, você ainda vai receber o valor captado.

Caso seja um financiamento coletivo grande, a plataforma divide o pagamento durante os meses seguintes. Essa é uma excelente maneira para a produção organizar os gastos e não deixar passar o prazo para enviar as recompensas dos apoios, que deve ser uma das prioridades.

Apesar de a situação da política cultural brasileira ser ainda muito incerta, em alguns casos é possível combinar o financiamento coletivo para filmes com algum edital regional de produção, o que pode ser de grande ajuda para completar o orçamento total do projeto. A divisão de captação também pode ajudar o filme a sair como um dos vencedores da chamada pública que estiver em curso.

Se você se interessou pelo financiamento coletivo pontual da APOIA.se, aproveite a oportunidade para baixar nosso e-book gratuito e entenda mais sobre como funciona a modalidade e como seu projeto pode atingir as metas dentro do prazo.

Marcadores

Marina Rodrigues

Formada em Cinema e Audiovisual na ESPM, atua como produtora executiva no mercado latino-americano.