Manual para aumentar a captação de recursos para projetos sociais

ONGs Ago 23, 2021

Para manter um projeto social funcionando, é preciso captar recursos para sustentá-lo, desde os custos fixos mensais, até os custos com ações específicas.

Alguns meios conhecidos para arrecadar dinheiro são as concorrências em editais públicos e privados, ou produção de eventos. Mas existem outras formas que podem potencializar a captação de recursos para projetos sociais.

Campanhas de crowdfunding, ou financiamento coletivo, reúnem muitos aspectos importantes para a arrecadação, como a facilidade em apresentar o projeto, a credibilidade das plataformas e a possibilidade de receber doações de públicos distintos em um mesmo ambiente.

Essa foi a opção dos projetos sociais Amparaí, Cozinhas Solidárias e Raça para Quê?. Os dois primeiros trabalham para combater a fome. O último resgata animais abandonados e os ajuda a encontrar novas famílias.

Em comum, além de serem projetos sociais, os três têm a escolha pelo financiamento coletivo para a arrecadação, além dos ótimos resultados alcançados até aqui.

A campanha do Amparaí já ultrapassou 70% da meta de captação mensal, enquanto a Raça para Quê? já chegou aos 90% do valor necessário. A Cozinhas Solidárias, por sua vez, optou por uma campanha pontual, em que as doações acontecem uma só vez em um período predeterminado. A menos de um mês  do encerramento do prazo, o projeto já atingiu 99% da meta.

Para entender como buscar recursos financeiros para projetos sociais, criamos um manual com seis passos para você. Vamos lá!

Manual para aumentar a captação de recursos para projetos sociais

Passo 1: Faça um bom planejamento financeiro

Não há outra forma, planejar os custos é o primeiro passo para arrecadar recursos.

Tanto para estabelecer uma meta a ser buscada, quanto para apresentar seu projeto social a potenciais doadores(as) é preciso ter tudo calculado na ponta do lápis.

Para investir em um projeto social, pessoas físicas e empresas buscam projetos nos quais possam confiar, que demonstrem capacidade para colocar em prática as ações propostas.

Além disso, ao manter um planejamento financeiro detalhado, você terá a segurança de que a verba será suficiente para cobrir todos os gastos necessários.

O planejamento financeiro é a base para outros passos que veremos a seguir, como a apresentação do projeto e a prestação de contas.

Passo 2: Conheça os(as) potenciais doadores(as)

Faça uma busca ativa por potenciais doadores(as). Liste quais perfis de pessoas e de empresas podem se interessar em apoiar sua ONG. Observe quais características do seu projeto chamam mais atenção.

Por exemplo, em projetos como o Raça pra Quê?, pessoas que gostam de animais e que já estão familiarizadas com a proposta de adotar cães e gatos, ao invés de comprá-los, têm maior possibilidade de doar. Empresas relacionadas a bichos de estimação também podem se interessar em apoiar a causa, como clínicas veterinárias e pet shops.

Lembre-se: enquanto pessoas físicas doam para ajudar o projeto em que acreditam, empresas interessam-se mais em associar suas marcas a uma ação social.

Encontrar quais marcas são potenciais parceiras e ir em busca delas é um grande passo para aumentar a captação de recursos financeiros para a ONG.

Por meio da APOIA.se, você pode receber doações de pessoas físicas e de empresas no mesmo lugar. Uma ideia é, antes de criar a campanha de financiamento coletivo, planejar recompensas específicas para cada um dos públicos.

Conhecendo bem cada potencial doador(a), você constrói uma campanha direcionando os esforços para atingir as pessoas certas!

Passo 3: Apresente os pontos mais importantes do projeto

Ninguém faz doação para algo que não conhece muito bem, por isso a apresentação deve ser precisa, envolvente e não deixar dúvidas.

O Cozinhas Solidárias tem um objetivo claro: precisa de 750 mil reais para abrir 26 cozinhas solidárias no Brasil. Na campanha de arrecadação, o projeto é apresentado com um vídeo introdutório e textos que respondem a perguntas como Por quê?, Onde? e Como Funciona?.

Dessa forma, quem acessa a campanha consegue entender rapidamente o funcionamento do projeto e se engajar na doação. Cozinhas Solidárias é um projeto que não oferece recompensas em troca das doações, ou seja, é ainda mais importante que as informações estejam claras para que as pessoas desejem contribuir e se sintam seguras com a destinação do apoio oferecido.

Quando você inicia um projeto na APOIA.se, passa a ter  uma página na plataforma para a arrecadação de recursos. Mas, além disso, você tem um espaço para expor as motivações, o funcionamento, os custos e as demais informações do seu projeto social.

Ao apresentar a ONG para um(a) potencial doador(a), você pode indicar o link direto da campanha. Por exemplo: apoia.se/cozinhasolidariamtst.

Passo 4: Planeje a divulgação da campanha de captação de recursos

Dedicar-se em uma boa divulgação traz resultados!

Seja no boca a boca, conversando com as pessoas que você conhece, seja por meio de redes sociais, de distribuição de panfletos ou de agendamento de reuniões com empresas. Mas, para qualquer uma, é essencial fazer um plano de divulgação.

Ao partir de uma estratégia, você acelera a captação de doações para o projeto social e reforça as chances de se aproximar de grandes doadores(a).

A Amparaí faz um ótimo trabalho nas redes sociais. No Instagram da Misturaí, ONG que abraça a Amparaí e outras ações, aparecem desde informações sobre as necessidades dos projetos até bastidores do que é feito por lá.

Mostrar o que já foi feito e, especialmente, quem são as pessoas afetadas positivamente pelas contribuições, traz humanidade para a campanha e cria identificação.

É muito mais fácil pessoas doarem para a realização de algo concreto, que tem um rosto associado, do que apenas para atingir uma meta numérica.

Passo 5: Preste contas. Transparência é fundamental

Existem três formas para conferir credibilidade à captação de verba para um projeto social: arrecadar em uma plataforma conhecida e confiável, apresentar ações passadas que obtiveram sucesso e prestar contas, claro.

Todos os gastos e receitas precisam estar acessíveis a atuais e futuros(as) doadores(a). Pode ser planilha, pode ser gráfico, pode ser lista. O importante é que estejam disponíveis  de forma clara e transparente.

Na página da Amparaí na APOIA.se, tem uma tabela explicando os custos do projeto, assim como um gráfico com tudo o que foi feito no ano anterior. Dessa forma, fica fácil para o(a) potencial doador(a) compreender como o dinheiro será utilizado e, justamente por isso, ter confiança para doar.

Além da página da campanha, a APOIA.se disponibiliza um mural em que você pode postar informações novas e deixá-las visíveis apenas para quem já fez a doação.

Com o Mural de Campanha, você mantém a base apoiadoras informada do que acontece com o projeto, além de reforçar o envolvimento com a ONG.

Passo 6: Mantenha um bom relacionamento com doadores(as)

Independentemente da campanha de arrecadação ser recorrente ou pontual, o relacionamento com doadores(as) precisa ser contínuo, para fortalecer o senso de comunidade.

Quem apoia mensalmente precisa saber o que acontece na ONG e continuar engajado(a) não só para que não interrompa as doações, mas também para que indique o projeto para pessoas próximas que podem vir a ser novas doadoras.

Da mesma forma, quem apoia pontualmente quer saber como seu dinheiro foi aplicado e, ao perceber que o trabalho da ONG realmente traz resultados, se sente parte das metas alcançadas, e pode vir a contribuir em futuras campanhas de captação.

Você pode usar o Chat da APOIA.se para conversar com cada uma das pessoas apoiadoras, mas também pode enviar mensagens para todos(as) que doam ou já doaram para a ONG. Essa ferramenta é fundamental para manter o vínculo com sua rede de contatos.

Criar uma campanha de captação de recursos para projetos sociais na APOIA.se é muito simples, basta escolher entre o financiamento coletivo contínuo e ou o financiamento coletivo pontual para começar.

E o melhor, você pode escolher a taxa ideal para o seu projeto com a APOIA.se Solidariedade, que oferece taxas que chegam a 6%.

Siga o passo a passo e aumente a captação de recursos para o seu projeto social.

Laís Webber

Sou jornalista, professora e revisora. Acredito no apoio mútuo, por isso, percebo o financiamento coletivo como uma possibilidade de estarmos juntos, sustentando nossos projetos de forma independente.

Great! You've successfully subscribed.
Great! Next, complete checkout for full access.
Welcome back! You've successfully signed in.
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.